Quem somos nós

Contato geral: blogpercepto@gmail.com


Bruno Marinho de Sousa


make gif

Breve história: viveu a tenra infância e toda a puberdade em Catalão, no mais bruto cerrado goiano. Gosta de galinhada, massas e carne muito bem passada. 
Por onde passou: Uberlândia, onde se graduou em Psicologia. Em 2006 entrou no mestrado em Psicobiologia, em Ribeirão Preto, e concluiu seu doutorado em 2013. Também fez doutorado sanduíche em João Pessoa (SWP) no LPNeC, sob a supervisão do professor Dr. Natanael Antonio dos Santos.
Foi professor no curso de Psicologia, da Universidade Federal de Goiás (UFG), Regional Catalão e na disciplina Processos Cognitivos e o Exercício da Gestão de Pessoas, no mestrado profissional em Gestão Organizacional, da mesma Universidade.
Atual trabalho: psicólogo clínico, Coaching, palestrante, professor e divulgador científico na empresa Psicologia Catalão. 
Interesses acadêmicos: percepção, processos cognitivos, Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) e divulgação científica.
Interesses gerais: literatura, Chaves & Chapolin, séries música, cinema (de preferência os velhos), quadrinhos, South Park, Bob Esponja, Hora de Aventura e Hermes e Renato.

Site Pessoal:  Psicologia Catalão
Currículo: Currículo Lattes & Linkedin
 

Leonardo Gomes Bernardino

Mineiro, o sotaque e a preferência por queijo não deixam dúvidas. Fala que é da “roça”, sua música preferida é “Tristeza do Jeca”, mas nunca andou a cavalo.

Usou aparelho ortodôntico por 6 anos, por isso nunca sorri nas fotos. Leu Cortázar aos 13 anos e viu “Sonhos” do Kurosawa aos 14 e acha que isso explica muita coisa. O resto é explicado por já ter visto sua perna em chamas, um encontro pessoal com a Hanna Montana e uma multa na Polônia.

Deu aulas de Física para o Ensino Médio e não terminou a graduação em Geografia. Após formar-se em Psicologia, mudou-se para Ribeirão Preto-SP. Lá fez Mestrado e Doutorado. Parte deste foi realizado na Universidade de Barcelona (UB) - Espanha, tendo saudade das estações do ano bem definidas.

Por seis meses morou na capital brasileira, onde foi professor substituto no departamento de Processos Psicológicos Básicos na Universidade de Brasília (UnB). Por 3 anos lecionou na Universidade Federal Fluminense (UFF), no Polo Universitário de Campos dos Goytacazes, sobrevivendo ao calor e ao chuvisco. Atualmente é professor adjunto no Instituto de Psicologia da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Sua missão atual é que o número de países visitados seja maior do que o número de anos vividos.
(Texto informado pelo autor)

Contato: lgbernardino@ufu.br 


Rui de Moraes Jr.

Nascido em Uberlândia, no Triângulo Mineiro. Cresceu jogando futebol com traves feitas de havaianas e subindo nas mangueiras da chácara que havia em frente à sua casa e dentro do campus da Federal, situado ao final da rua onde morava. Lá mesmo fez Psicologia e por influência destes dois aí de cima resolveu ir para o Oeste Paulista.

Fez Mestrado e Doutorado em Psicobiologia na USP de Ribeirão Preto. Ao final do expediente, gostava de se refrescar do calor tórrido tomando uma gelada nos botecos da Califórnia brasileira. Passou um ano durante o doutorado em Montréal, no Canadá, onde assistia partidas de hockey regularmente.

Se mudou para São José dos Campos, a cidade dos aviões, e foi professor na Universidade do Vale do Paraíba. Lembra com carinho do campus universitário florido e estrategicamente situado em um morro entre o Rio Paraíba do Sul e a Serra da Mantiqueira.

Hoje mora em Brasília, a capital idealizada por JK e enfeitada por Oscar Niemeyer. É professor adjunto do Departamento de Processos Psicológicos Básicos da UnB. Tem dois gatos, vai de camelo para o trabalho e sempre que dá está procurando uma cachoeira no Planalto Central.

Contato: rui.moraes@unb.br